domingo, 5 de março de 2017

Expiração

Não me julgues por não derramar
cálidos versos sobre teu colo
nem prostrar-me a teus pés junto ao solo
na casta intenção de te adorar;

Já fui devoto à exaustão
de lábios tais, rubros devaneios,
de corpos atados por enleios,
na ânsia amarga do ato pagão.

Tanto desperdício de lirismo
em parcas musas dissimuladas;
extinta verve da madrugada.

Apesar de não mais rutilantes,
meus olhos reluzem com teus louros
gentis, a ruir meus agouros.


























Ismael Nery, "Resignação Diante Do Irreparável", guache.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

So Girly

She's an unusual chick
from my ordinary town;
cute hair, no crown,
some sexy lipstick

From above she stares me
when I hold her waist,
so close I almost taste
things I cannot see

She likes what I adore;
She's a Gryffindor's knight
with a Ravenclaw's sight
asking for more

Such a remarkable beauty
lays down in her walk,
I could kiss her feet
as an usual duty

But I still don't know her,
and that's my goal for now
already knowing how;
no need to be harder.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Sufocar

Cala no teu peito o lamento
Sulfuroso que te transborda
Pela face crua e calhorda;
Incêndio seco em movimento.

Reserves o gosto agridoce
Do choro latente ao espelho;
Não grites nem peça conselho,
Todo palpite é precoce.

No fundo dos olhos cansados,
Angústia de sufocar
Mil vontades de se doar.

A dor que sentes te desperta
Do ócio de todo amar,
É ferida que quer fechar.


























Jean-Jacques Henner, "Solitude", óleo sobre tela, 1886.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ressaca

Revoltas ondas que quebram
nos limites do areal
trazem lágrimas de sal,
gotas tristes que não secam

Em seu ventre de amargor
guardam pálidos abraços
de tantos desfeitos laços
travestidos de fervor

Agridoce é a sina
do náufrago que com mágoas
vem perder-se nestas águas

Águas fundas do meu peito
calam sorrisos e amores
ao transbordarem-se as dores.


domingo, 31 de julho de 2016

Perfumaria

Saudades daquele aroma
sutil e tão delicado
do teu vestido amassado
atirado no carpete
orvalhado do meu quarto;

Na janela escancarada
a aurora até se adianta
para ver tua risada
ao saudar o novo dia...

Sem ti a noite é longa
mais longa que teus cabelos,
negros como a madrugada
que preenche tua ausência,
a iluminar com desvelo
os lençóis em que dormias,
dos quais emanam aromas
sutilmente eternizados
pela fricção doentia
de nossos corpos noturnos.



quarta-feira, 13 de julho de 2016

To Have And Have Not

The old records taught me to desire
In their ancient, classy grooves,
Such a guide for my moves
I couldn’t avoid being on fire.

Among the cigarettes I shall find,
Hidden between girl’s legs,
The pleasure my youth begs
So milky it blows my mind.

No place is better than another;
The unknown attracts me
More than these bodies I see
Which I can’t feel for no longer.

Despite I have some patience
The ancient tunes have it lost;
Haven’t taught me what they must,
About love and its magnificence.

But through my anguish I realize:
Love might be a kind of silence.

sábado, 25 de junho de 2016

Bezerros De Ouro

Tudo é uma mentira.
Cada estrofe, cada verso,
cada vernáculo disperso
até a rima derradeira;

Parca e febril imagem
de fantasiosas musas
veneradas qual deusas
ilustra minha linguagem;

Qual não seria o assombro
ao desvelarem-se as ilusões
em melindrosas obsessões!

Poesia soberba e fútil;
anseia por uma relevância
que não satisfaça sua ânsia.